FAIR Project

Prevenir a radicalização violenta de reclusos.
Promover a desradicalização.
Facilitar a reintegração na sociedade.
9 países da UE, 170 operadores prisionais, 50 detidos, 162 stakeholders.

SOBRE O PROJECTO FAIR

O FAIR aborda o problema da radicalização islâmica, com especial foco no sistema prisional, procurando:

  • (1) criar um sistema interno e rápido de alerta, a pôr em prática pelos operacionais prisionais, de forma a detetar os sintomas de radicalização numa fase inicial e
  • (2) elaborar um modelo de detenção alternativo ao tradicional, que inclua programas de desradicalização e reabilitação para detidos/reclusos extremistas.

Os principais objectivos do FAIR são:

  • Prevenir e impedir o processo de radicalização e recrutamento de cidadãos europeus e estrangeiros por grupos terroristas afiliados ao ISIS,
  • Promover comportamentos de desradicalização em indivíduos radicalizados, na prisão.

Através de diversas actividades, o FAIR aborda e inclui ativamente os seguintes grupos-alvo:

  • 170 PROFISSIONAIS DO SISTEMA PRISIONAL (guardas prisionais, assistentes sociais, profissionais de saúde, voluntários, representantes religiosos, advogados) estão incluídos nos grupos de discussão e no programa de treino para operadores prisionais (WP4). O objetivo é aumentar as suas competências e habilidades, e montar o sistema de alerta que detete e monitorize o processo de radicalização dentro dos estabelecimentos prisionais. O programa segue a análise de boas práticas europeias em termos de medidas de prevenção e combate da radicalização violenta, e simultaneamente, mapeia as necessidades dos operadores prisionais (WP3). O programa é suportado por duas ferramentas web: uma plataforma web com recursos úteis e um serviço de apoio/consulta on-line para operadores prisionais. Ambos divulgados através de redes sociais e em eventos de disseminação e (in)formação, nos 9 países parceiros (WP2).
  • 50 RECLUSOS abertamente radicalizados ou vulneráveis a recrutamento por grupos extremistas estão envolvidos no programa de reabilitação em 8 estabelecimentos prisionais europeus (Hungria, Itália, Lituânia, Malta, Holanda, Portugal, Roménia, Eslovénia).
  • 162 PARTES INTERESSADAS, representantes institucionais e do sistema judicial, estão envolvidas na divulgação do modelo de centros de detenção alternativos para reabilitação de reclusos radicalizados (WP5). O objetivo é alcançar acordos que permitam a sua viabilidade concreta e operacional nos sistemas prisionais.

 

 

 

PARCERIA FAIR

O FAIR combina 10 parceiros de 9 países europeus. O líder é a Fondazione Nuovo Villaggio del Fanciullo (IT), com experiência em gestão de ONGs, reabilitação de pessoas com problemas de dependência e sua reintegração no mercado de trabalho. A FNVF também faz treino, pesquisa, mediação em justiça criminal juvenil, atividades de escrita autobiográfica para reclusos e serviços de supervisão para menores estrangeiros não acompanhados. A FNVG coordena o projeto FAIR e
conduz a preparação do modelo de centro de detenção alternativo para a reabilitação de detidos radicalizados.

O desenvolvimento de conteúdo FAIR é fornecido por 3 instituições de pesquisa e educacionais;

O Arq Psychotrauma Expert Group (NL), um grupo de organizações para peritos em psicotrauma, que fornece uma avaliação das necessidades dos trabalhadores prisionais e analisa as melhores práticas europeias em medidas de prevenção e combate à radicalização violenta. No projecto FAIR, o ARQ, juntamente com The European Institute for Crime Prevention and Control, afiliado às Nações Unidas – HEUNI, promovem a troca internacional de informações sobre a prevenção e o controlo da criminalidade. O terceiro parceiro é a Universidade de Malta, University of Malta (MT), que dentro do seu “Programa de Educação Prisional e Reentrada”, coopera estreitamente com o Centro de Correção de Corradino, e fornece ao projeto FAIR grupos de discussão e treino para operacionais prisionais.

O conteúdo do projeto será apresentado em diversas plataformas, nomeadamente o website, a plataforma web participativa e o serviço de consulta on-line, desenvolvidos pelo EuroCoop, Institute for European Research and Development (SI). Este desenvolveu já diversas soluções em tecnologia da informação para grupos-alvo vulneráveis, especialmente reclusos e população Roma. O Eurocoop trabalha em estreita cooperação com o divulgador principal, o Social Innovation Fund – SIF (LT). Esta fundação possui experiência no apoio assistencial e social a reclusos em centros fora da prisão. É igualmente especialista em aconselhamento psicológico para grupos de risco (e.g., reclusos e migrantes).

O programa de treino FAIR e a plataforma web participativa e serviço de consulta on-line estão prototipados em 4 países parceiros, por:

  • DARTKE, que se foca em mudanças e transformações sociais na Região da Grande Planície do Sul da HU e não só, em estreita cooperação com a esfera académica, para melhorar condições sociais
  • The Trebnje Center for Education and Culture – CIK Trebnje (SI), que desenvolve programas educacionais para adultos e grupos desfavorecidos, especialmente detidos e população Roma
  • The Center for Promoting Lifelong Learning – CPIP (RO), que se foca no desenvolvimento professional de trabalhadores prisionais, professores e profissionais de cuidado social e
  • Associação Portuguesa Conversas de Psicologia – APCdP (PT), que tem vindo a implementar um programa de soft-skills com reclusos em Portugal, para melhorar as suas vidas dentro e fora da prisão.

RESULTADOS FAIR

O projecto FAIR assenta na COLEÇÃO DE BOAS PRÁTICAS (EN, FI, HU, IT, LT, MT, NL, PT, RO, SI) na Europa, no que diz respeito a medidas de prevenção da radicalização islâmica nas prisões, e no relatório de INDICADORES DE RISCO (EN, FI, HU, IT, LT, MT, NL, PT, RO, SI) para detetar reclusos radicalizados e em risco de radicalização. O relatório detalhará elementos, atitudes e comportamentos úteis para a sinalização de reclusos em risco.

As necessidades dos operacionais prisionais, para prevenir e/ou lidar com a radicalização, estarão resumidas no RELATÓRIO DE ANÁLISE DAS NECESSIDADES DOS OPERADORES (EN).

As GUIDELINES CONJUNTAS (EN) fornecem orientações que os operacioais prisionais possam seguir, enquanto se detetam e mapeiam as necessidades específicas daqueles que trabalham com reclusos em risco de radicalização.

O PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO (EN, FI, HU, IT, LT, MT, NL, PT, RO, SI) permite que os operadores prisionais previnam a radicalização dos reclusos, assiste na desradicalização e apoia a transição gradual até à sua libertação.

Materiais de apoio relevantes, recolhidos durante a preparação dos documentos acima mencionados, estão disponíveis na PLATAFORMA WEB FAIR em 10 idiomas.

Mesas redondas com as partes interessadas e decisores serão disponibilizadas em todos os países parceiros, para ilustrar situações e necessidades específicas em cada contexto nacional. Estas serão resumidas num RELATÓRIO CONJUNTO DE DISCUSSÕES DE GRUPO (EN).

170 operadores prisionais de 9 países estão incluídos no PROGRAMA DE TREINO PARA OPERADORES PRISIONAIS (EN, FI, HU, IT, LT, MT, NL, PT, RO, SI), para capacitar os operacionais relacionados com a deteção dos fatores de radicalização em prisões e melhorar o seu conhecimento e competências.

O SERVIÇO DE CONSULTA ONLINE em todos os idiomas dos parceiros, permite clarificação e orientação para os operacionais recentemente treinados.

O processo é avaliado através da GRELHA DE AVALIAÇÃO (EN, FI, HU, IT, LT, MT, NL, PT, RO, SI) e os resultados são resumidos no RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA PARA OPERACIONAIS PRISIONAIS (EN, FI, HU, IT, LT, MT, NL, PT, RO, SI).

O ESTUDO DE VIABILIDADE PARA O CENTRO DE DETENÇÃO ALTERNATIVA (EN, FI, HU, IT, LT, MT, NL, PT, RO, SI) é implementado para investigar os benefícios decorrentes da criação de um centro para acolher ofensores radicalizados e reclusos em risco de radicalização, depois da sua libertação. O centro acompanhá-los-á num programa de desradicalização e re-inclusão na sociedade.

12 PROTOCOLOS NACIONAIS (EN, HU, IT, LT, MT, PT) com instituições chave para a criação do centro de detenção alternativa serão estabelecidos nos países participantes.

O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA PILOTO DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO (EN, FI, HU, IT, LT, MT, NL, PT, RO, SI), construído utilizando uma metodologia conjunta, serve para visualizar os resultados do programa.

O Projecto FAIR alcança 10.000 cidadãos, 170 operacionais prisionais e 162 stakeholders, através do website do projeto, dos perfis de FB e de Linkedin. Tem base num PACOTE DE VISIBILIDADE comum, com o logótipo e layout visual do projeto. PANFLETOS DO PROJECTO (EN, FI, HU, IT, LT, MT, NL, PT, RO, SI) estão disponíveis para uma visão geral sobre o FAIR.

 

CONTACT

Coordenador do Projeto:

Fondazione Nuovo Villaggio del Fanciullo

Via 56 Martiri, n79, 48124 Ravenna

T. +39 0544 603525

E. fair@villaggiofanciullo.org

W. www.villaggiofanciullo.org